segunda-feira, 19 de abril de 2010

"A PAZ QUE EU NÃO QUERO"

Realmente não sabemos como viver em sociedade. O melhor que podemos fazer é seguir os exemplos coerentes e bondosos daqueles que se destacaram no mundo. Na sociedade brasileira, percebe-se que os valores estão invertidos, em que fazer o bem é "careta" e fazer o mal é ser "retado", é como se nós devolvéssemos uma sacola com cem mil reais ao seu verdadeiro dono ou dá um tiro em alguém por me ter feito de otário. Mesmo com tanto incômodo social provocado pela injustiça e péssimo comportamento da sociedade como resposta daquela, precisamos reagir bem as diferenças e as discriminações provocadas pela realidade precária sócio-política. Reagir significa erguer a cabeça e lutar em prol de uma estrutura social mais igualitária, no qual o conhecimento da realidade que que compromete o indivíduo brasileiro como um todo, possa ser o início de uma trajetória bonita de mudança desse contexto que nos oprime a cada dia. Vamos conhecer e lutar! Gosto muito da banda "O RAPPA", em que aproveito e deixo um vídeo para que possamos refletir onde nós estamos e para onde queremos ir.... EU QUERO PAZ...PAZ NA JUSTIÇA...PAZ NO AMOR...PAZ NA SOCIEDADE....PAZ NA FAMÍLIA...PAZ ONDE ESTOU...PAZ..EU QUERO PAZ.....AH!! NO VÍDEO ENCONTRA-SE A PAZ QUE EU NÃO QUERO!
video

Um comentário:

  1. É de fácil compreensão que a inversão de valores é resultado da diversidade na dinâmica social, onde o auto-interesse, responsável pelo comportamento do ser, faz com que o mesmo exprima indiferença relativa aos seres socialmente frágeis, que muitas vezes adotam condutas violentas como forma de proteção e/ou imitação.
    Temos uma cultura que conviveu com a escravidão; e que acreditou na possibilidade de unir ideais libertários e democráticos numa sociedade completamente injusta.
    Infelizmente contamos com a "mentalidade da indiferença" no que se refere à violência, a exclusão e à desigualdade social, que possuem raízes num legado escravagista. Consideramos "normal" o convívio entre a opulência e a pobreza ou, que a superfluidade de poucos seja simultânea a supressão dos direitos da maioria.
    Se fala em redução da maioridade penal; "preocupa-se" com a propagação das drogas ilícitas; do papel, apaga-se e reescreve a reforma agrária...- Essa "paz" eu não quero conservar! Cadê as políticas públicas? Não conheço nenhum órgão governamental que trabalhe no combate da drogadição! Nossas escolas públicas possuem um espaço organizado, apto para construção de valores, com educadores suficientemente reciclados?! (Não delego aqui à escola o dever dos pais)
    Acredito que a educação seja a resultante de grande parte - se não todos - dos problemas sócio-políticos.
    É pela Paz que eu não quero seguir admitindo!
    Beijos

    "Estuda o elementar: para aqueles
    cuja hora chegou
    não é nunca demasiado tarde.
    Estuda o abc. Não basta, mas
    Estuda. Não te canses.

    Começa. Tens de saber tudo.
    Estás chamado a ser um dirigente.
    Freqüente a escola, desamparado!
    Persegue o saber, morto de frio!

    Empunha o livro, faminto! É uma arma!
    Estás chamado á ser um dirigente.
    Não temas perguntar, companheiro!
    Não te deixes convencer!
    Compreende tudo por ti mesmo.

    O que não sabes por ti, não o sabes.
    Confere a conta. Tens de pagá-la.
    Aponta com teu dedo a cada coisa
    e pergunta: "Que é isto? e como é?"
    Estás chamado a ser um dirigente."

    (Louvor ao Estudo- Bertolt Brecht)


    *Esse Desemprego!
    http://www.culturabrasil.pro.br/brechtantologia.htm#Esse Desemprego!

    ResponderExcluir